NOTA DE REPÚDIO DA ASMPF À PROPOSTA DE CONFISCO DE SALÁRIO DO SERVIDOR PÚBLICO

A Associação dos Servidores do Ministério Público Federal – ASMPF vem a público manifestar REPÚDIO à proposta de corte (confisco) de salário dos servidores públicos ativos dos Poderes da União de até 25%, para, supostamente custear a crise sanitária causada pela pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

A medida, segundo matérias veiculadas na grande mídia, aponta suposta economia, a cada 10% de corte na remuneração do funcionalismo dos três poderes, de quase 14,8 bilhões de reais por mês. A indicação é que os cortes ocorreriam de forma escalonada: o corte não seria aplicado nas remunerações de até R$ 5 mil; corte de 10% para quem ganha até R$ 10 mil e acima de R$ 10 mil, a redução variaria de 20% a 50%, neste caso a decisão seria de cada Poder.

A tomada de percentuais remuneratórios dos servidores públicos federais (10% a 25%) viola o princípio constitucional da não confiscatoriedade consagrado no art. 150, IV, da CRFB, uma das mais importantes garantias do indivíduo.

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, afirmou que o texto, em elaboração, será adicionado à Proposta de Emenda à Constituição PEC 438/18, que teve sua admissibilidade aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania em dezembro de 2019 e será analisada agora por uma comissão especial; a medida, segundo o Governo, é para conter as despesas públicas e preservar a regra de ouro.

Ainda, segundo o Presidente da Câmara, as duas propostas serão transformadas em uma só na comissão especial da Câmara, e poderá ser promulgada imediatamente assim que aprovada no Plenário da Câmara, abreviando o rito de tramitação em pelo menos 45 dias. O Projeto de Lei foi protocolado nesta terça-feira (24) pelo Deputado Federal Carlos Sampaio (PSDB-SP).

Tal medida vai de encontro a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), além do descumprimento da Regra de Ouro. Hoje, segundo auditoria realizada pelo TCU, a soma dos déficits primários da União, em valores atualizados, chega a quase R$ 681 bilhões no período 2014-2019. Esses déficits são pressionados, em grande medida, por conflitos federativos que resultam no ajuizamento de ações pelos Estados e Municípios contra a União ou programas de refederalização de dívidas estaduais e municipais (Acórdão 1.084/2018-TCU Plenário e Acórdão nº 2.937/2018-TCU-Plenário). Além de esbarrar no princípio constitucional da não confiscalidade.

A despesa total de pessoal da União atingiu 31,62% da receita corrente líquida (RCL) em 2019, quando o limite máximo fixado pela LRF é de 50%. Destaca-se que o percentual não chegou ao limite de alerta de 45%.

A proposta é injustificável, sendo, nada mais que uma perseguição aos servidores públicos, em especial os servidores civis federais. A União não evidencia que o excedente em relação às despesas de capital decorre de excesso ou desequilíbrio da despesa de pessoal dos Poderes e órgãos autônomos federais.

Relembramos que em agosto de 2019, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pelo voto da maioria dos ministros a inconstitucionalidade da redução da jornada de trabalho e do salário de servidores públicos proporcionalmente; a medida estava prevista na redação original da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000). No entanto, o julgamento foi suspenso sem uma nova data definida.

Na época, o ministro Edson Fachin entendeu que a irredutibilidade dos salários é um direito constitucional e não pode ser usado para equacionar as contas públicas. O entendimento foi seguido pelos ministros Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux e Marco Aurélio.

Em tempo, o MPU tem autonomia financeira e administrativa, o orçamento já foi aprovado, de forma que tal medida é injustificável, já que atitude tão radical como essa, só poderia ser tomada diante de um Estado de Sítio ou Estado de Defesa, o que não acontece no momento.

Há claro desvio de atenção da população para os servidores públicos, uma vez que o Legislativo não aceita mexer no fundo eleitoral e partidário.

O Governo Federal pode e deve, neste momento, buscar soluções emergenciais para combater a crise causada pela pandemia, contudo, não pode agir de forma leviana, contrariando as leis e lesando os servidores públicos. Alternativas, não como esta, podem ser adotadas, como o uso do Fundo Eleitoral de R$ 2 bilhão aprovado este ano; valores indenizatórios de desastres naturais (Mariana e Brumadinho) pagas pela Mineradora Vale; o uso de R$1,6 bilhão fruto de acordo entre a Operação Lava Jato e a Petrobras, já determinado pelo ministro do STF, Alexandre de Moraes, e utilização dos valores das emendas partidárias.

Ainda, a internalização das reservas nacionais da ordem de 62 bilhões de dólares – algo em torno de 300 bilhões de reais – por meio da emissão em papel moeda, fará a máquina pública destravar, mantendo a economia nacional girando.

Dessa foram, a ASMPF mantendo-se aguerrida em prol dos servidores REPUDIA os atos insanos de confisco aos salários, especialmente por já terem sido penalizados recentemente pela Reforma da Previdência, com a contribuição previdenciária majorada para 16,13% restrita à União.

A ASMPF exige que o cumprimento do direito constitucional seja garantido aos servidores públicos federais, não aceitando o confisco salarial de nenhuma natureza.

ASMPF
JUNTOS SOMOS MAIS FORTES

Gostou deste conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email